Guia sobre como escolher um curso profissionalizante na área de vigilância

Quando pensamos no mercado de trabalho atual e como escolher entre um curso técnico e profissionalizante — identificando o que melhor se adapte às nossas expectativas e habilidades — é normal surgirem muitas dúvidas.

O curso profissionalizante na área de vigilância pode ser uma porta para muitas oportunidades no ramo da segurança. E para exercer essa função, os cursos são acessíveis, além de terem um curto prazo preparatório que oferece qualidade e eficácia.

Então, se você está curioso e gostaria de saber mais sobre como escolher um curso profissionalizante na área de vigilância, confira o post que preparamos e não perca nossas dicas!

Tenho vocação para ser vigilante?

O vigilante é um profissional essencial para a segurança pessoal e comercial, seja em eventos ou para o trabalho privado. Mas, a priori, é preciso compreender que para ser vigilante é necessário postura e disciplina, já que o profissional lidará com situações, às vezes, complexas e que realmente dependem de preparação e treinamento.

Alguns pontos são importantes para quem deseja ser um vigilante: a postura reta, trabalhar uniformizado, com a barba feita e o cabelo aparado. Quando falar com alguém, nunca ter contato físico. E o vocabulário deve ser adequado, sem gírias ou palavões.

O bom vigilante sabe ser discreto, não passa para terceiros as informações sigilosas sobre sua função, com a intenção de manter seguro a pessoa ou o local a ser protegido. Além das observações acima, o vigilante precisa estar sempre atento à saúde física e mental para que o trabalho seja exercido com cautela e agilidade.

O profissional dessa área pode exercer várias funções dentro da segurança, como escolta armada, transporte de valores, segurança pessoal privada ou segurança em grandes eventos. Saiba um pouco sobre cada uma dessas funções!

Escolta armada

A escola armada é um exercício promovido por uma empresa de segurança privada que auxilia no transporte de cargas de alto valor. Para que a empresa execute essa atividade, ela deve ser devidamente autorizada pela Polícia Federal. É fundamental que o segurança tenha pelo menos um ano de experiência como vigilante patrimonial. Esse trabalho deve ser exercido por, no mínimo, dois profissionais.

Transporte de valores

Transporte de valores ou carro-forte é o nome da profissão de quem trabalha com a movimentação física de dinheiro ou outros valores. É importante ter um bom treinamento e qualificação para evitar que roubos aconteçam e preparar-se para resolver os problemas que envolvem situações de emergência durante o transporte de valores.

Segurança privada

O profissional dessa área tem a função de zelar por um patrimônio privado ou garantir a segurança pessoal de um cliente, oferecendo o suporte necessário durante o acompanhamento. O segurança deve, por exemplo, escoltar o cliente em viagens, realizar a revisão em veículos, ter controle da agenda do cliente, a fim de prevenir contra possíveis ameaças. Esse é um profissional que deve ser tolerante, educado e ter uma conduta competente.

Segurança em grandes eventos

O segurança que trabalha em grandes eventos pode atuar em vários lugares, como estádios de futebol, festas privadas, shows, comemorações ou solenidades.

Algumas tarefas importantes compõem o currículo desse segurança, como o controle e identificação do acesso ao local do evento, identificação de substâncias ou itens proibidos ou ainda verificar e neutralizar práticas de pessoas que prejudicam o bem-estar do restante do público.

Supervisor de segurança

O supervisor de segurança orienta o trabalho dos vigilantes. Ele tem a função de encontrar problemas na equipe ou no local de trabalho e solucioná-los. O supervisor é o olho da segurança, e a organização que auxilia na composição das normas e regulamentos internos de proteção da empresa e dos envolvidos.

Para que todas as funções acima sejam exercidas com autoridade e autoconfiança, é necessário capacitação, treinamento e comprometimento. E uma vez que você iniciou o seu investimento em alguma dessas áreas, a possibilidade de crescimento dentro do ramo de segurança será cada vez mais próximo.

Então, se você quer aprender, sente-se atraído pelas possibilidades que o mercado oferece, além de estar pronto para oferecer toda a seriedade que o curso exige, você já pode inciar o seu projeto dentro do curso de vigilante.

Como escolher um curso profissionalizante?

Tomar uma decisão profissional pode ser complicado. Não importa a idade, cada fase traz as suas dificuldades na hora da escolha, porém, essa não é uma tarefa impossível. Isso porque se você deseja ter um salário melhor ou uma renda extra e, para isso, busca uma capacitação rápida com baixo investimento, a área de vigilante pode oferecer essas oportunidades.

É importante, antes de tomar a sua decisão, observar alguns pontos sobre você mesmo. Veja a seguir!

Analise seus interesses

Em primeiro lugar, é importante delinear os seus interesses. Qual o seu maior objetivo nesse momento? Recompensa financeira rápida por meio de uma capacitação de curta duração? Se esse for o objetivo, a área de vigilância tem muito a oferecer.

Você sabia que o mercado de vigilantes tem resistido às últimas crises? A segurança é um aspecto muito prezado pelas empresas, pelos comércios e uma obrigação nos grandes eventos como em estádios ou casas noturnas.

O trabalho de segurança de aeroporto, por exemplo, é uma área que não para de crescer, considerando que o setor aeroviário cresce constantemente. Portanto, observe seus interesses e veja se atividades que exigem atenção, ação, treinamento e agilidade são as habilidades profissionais que você pretende desenvolver.

Pesquise as opções disponíveis

No mercado existem várias opções de cursos para vigilantes. Mas tenha em vista aquele que oferece as melhores soluções para os seus problemas, que o mantém informado e tem os procedimentos, tanto de aprendizagem quanto de regulamentação, transparentes.

Esteja atento às exigências para a formação de um vigilante. A Polícia Federal pede, no mínimo, 200 horas de conteúdos que treinam e preparam o futuro segurança para lidar com as adversidades da função.

Então, observe se a grade do curso tem qualidade prática e teórica, e se oferece a instrução e a habilitação necessária para o emprego e um aproveitamento de qualidade.

Portanto, você não pode contar com a sorte e procurar qualquer curso. Para fazer uma boa escolha é preciso pesquisar, ouvir depoimentos de pessoas que já passaram pela capacitação e garantir que ao formar você terá o conhecimento e a prática suficiente para atuar na área de segurança.

Planeje-se

Descobrir o que almeja é apenas o primeiro passo. Antes de iniciar uma carreira é necessário planejá-la. É uma questão de organizar o seu futuro para alcançar os seus resultados. Por isso, é preciso focar no processo e em características que vão fazer você se destacar no mercado de trabalho e tornar-se um profissional de valor.

No curso de vigilante há certas particularidades que são desenvolvidas, como utilização de armas, técnicas de defesa pessoal e outras competências que o transformarão em um segurança completo para atuar nessa área.

Tenha atitude

Após planejar-se é preciso sair da zona de conforto e procurar a capacitação ideal para você. Não fique esperando que as habilidades surjam naturalmente, é preciso praticar, estudar e aprender.

Inicialmente, você pode conversar com profissionais da sua área de interesse. Ouvir a experiência de outras pessoas sempre ajuda muito, por isso, procure conversar com no mínimo três pessoas competentes da área.

É importante pesquisar sobre a trajetória da profissão escolhida, sobre a rotina e o mercado de trabalho. Ao conhecer o mercado para vigilantes você perceberá que é uma boa oportunidade, pois é uma profissão que apresenta um bom índice de crescimento no Brasil, logo que a violência ainda é uma das grandes preocupações das pessoas.

Mantenha os pés no chão

É importante ser realista. Por isso, escolher qual carreira seguir pode ser uma missão difícil e que exigirá muitas atitudes que o façam sair da zona de conforto e buscar um caminho profissional que trará boas possibilidades para o seu futuro.

Então, fundamente a sua opção em fatos, seja realista e lide seriamente com sua escolha. Esteja preparado para crescer, mas reconheça que mais importante do que o resultado final é o processo de aprendizagem e dedicação que garantirá os bons resultados.

Autorização da Polícia Federal: por que ela é obrigatória?

O curso de vigilante atualmente exige 200 horas seguidas de aulas de legislação, primeiros socorros, direitos humanos, criminalística, armamento e tiro, relações humanas no trabalho, noções de segurança eletrônica, educação física, defesa pessoal, uso progressivo da força, entre outros requisitos.

Toda essa lista para o conteúdo do curso nos mostra a importância que essa profissão tem, tanto para garantir a própria segurança, quanto para preservar a segurança do empregador. Por isso, quando vemos um caminho com algumas regras é para que esse trabalho seja exercido com o devido cuidado e competência que a função exige.

Assim, as empresas responsáveis pela formação dos vigilantes desempenham um papel fundamental no desenvolvimento desse segurança. Elas são responsáveis por garantir que um profissional seja bem preparado para o mercado de trabalho e tenha seus direitos assegurados.

Há alguns pré-requisitos básicos, estabelecidos pela portaria n° 3.233/2012, para que uma pessoa possa iniciar o seu treinamento, como ser brasileiro, maior de 21 anos e ter cursado, no mínimo, a quarta série do ensino fundamental I.

Todo serviço de segurança privada deve ser autorizado pela Polícia Federal, pois o segurança portará armas relativas ao seu trabalho. Dependendo da situação, o profissional agirá de acordo com a necessidade, usando as técnicas de defesa pessoal em prol da segurança das pessoas envolvidas.

Assim, a autorização da Polícia Federal é importante para resguardá-lo de situações que o comprometam diante da função de risco que o segurança é incumbido de prestar em diversos momentos.

Mas quais são as obrigações de acordo com a Polícia Federal?

As atividades de segurança precisam do cadastro para serem reguladas e fiscalizadas pela Polícia Federal. Essa é uma forma de garantir tanto os direitos do segurança quanto do empregador. De acordo com a portaria n° 3.233/2012, no capítulo I e parágrafo 2°, a política de segurança pública tem os seguintes objetivos:

I – dignidade da pessoa;

II – segurança dos cidadãos;

III – prevenção de eventos danosos e diminuição de seus efeitos;

IV – aprimoramento técnico dos profissionais de segurança privada;

V – estímulo ao crescimento das empresas que atuam no setor.

Portanto, a portaria visa estabelecer normas que, quando cumpridas legalmente, possibilitam o desenvolvimento da área de vigilância e garantem que os cursos cadastrados ofereçam qualidade e uma boa preparação dos futuros profissionais.

A segurança privada ilegal, quando pega no trabalho ilícito, responde a várias sanções. Em primeiro lugar, aqueles que atuam em serviço são notificados pela atividade irregular. Posteriormente, os itens os quais comprovam o serviço clandestino poderão ser apreendidos e, por fim, ainda há a possibilidade de cassação do CNPJ — Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica.

Outro fator de risco para empresas não cadastradas é que a maioria não contrata funcionários qualificados, colocando em perigo tanto os funcionários quanto os empregadores. Sendo assim, o que deveria ser uma atividade com a função de garantir a segurança pode tornar-se uma função arriscada, devido ao despreparo do agente.

Portanto, a autorização da Polícia Federal é essencial para que haja o controle das ações ilegais e a segurança dos envolvidos no processo de aprendizagem, evitando também a exploração de serviços dentro dessa área e garantindo o direito constitucional para o trabalhador.

Quais são as características necessárias para atuar nesse mercado?

Para atuar no mercado da segurança é necessário ter algumas características que podem ser adquiridas por meio de treinamentos durante o curso. Mas, ainda sim, alguns aspectos merecem uma atenção especial para operar no mercado da segurança. Veja abaixo quais são!

Formação

Uma boa formação é essencial para que você esteja preparado para o novo ofício. Além disso, é um investimento valoroso para a sua posição no mercado de trabalho. A boa formação não é apenas um cumprimento ou uma formalidade exigida pela Polícia Federal. Durante o processo de estudo você perceberá o quanto ela é essencial.

Uma formação de qualidade o ajudará a ter uma rentabilidade melhor no trabalho. Pois um profissional que entende sobre suas funções será muito mais ativo no momento de organizar seus afazeres, de planejar seus passos diante de uma situação complexa ou de estar permanentemente aprimorando a segurança do lugar em que trabalha.

Experiência

A experiência é outro fator fundamental. Para você crescer na área de segurança é necessário ir com calma e, aos poucos, adquirir conhecimento e estudo sobre o seu trabalho. Por exemplo, para prestar serviços na escolta armada é necessário um ano de experiência na área. Essa é uma questão que o diferenciará de outros profissionais.

É importante que, durante o serviço, você consiga aproveitar as chances de aprendizado e crescimento que a profissão oferece. Portanto, use o período de experiência a seu favor para se transformar em um profissional empenhado e comprometido.

Atualização

A atualização é essencial para um segurança. Nos dias de hoje, a tecnologia influencia cada vez mais a vida pessoal e profissional. Por isso, é importante que o segurança, sempre que possível, faça uma atualização de seus conhecimentos. Por exemplo, no uso das armas não letais, é importante saber quais são as disponíveis no mercado e quais as leis que envolvem o novo armamento.

Esse é um aspecto que pode destacá-lo e oferecer a possibilidade de inserção no mercado de trabalho. Isso, consequentemente, melhorará o seu posicionamento profissional.

Prática de defesa pessoal

A prática de defesa pessoal é essencial para que você mantenha a segurança de seu cliente, e, principalmente, para cuidar da própria segurança. A defesa pessoal é um exercício capaz de trazer muitos benefícios tanto para o corpo quanto para a mente.

Uma das vantagens é que ao praticar artes marciais você trabalhará o corpo — força, postura, flexibilidade, ação, velocidade — e também trabalhará a mente — bem-estar, saúde, pensar antes de agir, autocontrole e, principalmente, autoconfiança.

A defesa pessoal é um conhecimento que não fica restrito apenas para o trabalho. Você pode levar o bem-estar provocado pela prática desse exercício para a sua vida pessoal.

Disciplina

A disciplina e a responsabilidade com o trabalho é algo a se prezar. Muitos afirmam que a disciplina é a base para o sucesso pessoal e profissional, e isso é um fato. Se você observar a história de pessoas que foram profissionais exemplares, verá que o compromisso consigo mesmo foi o primeiro passo para o crescimento. Abraham Lincoln afirmava:

O autorrespeito é a raiz da disciplina; a noção de dignidade cresce com a habilidade de dizer não a si mesmo.

Portanto, se você quer investir nessa profissão, tenha respeito e compromisso, em primeiro lugar, consigo mesmo. Respeite sua decisão e siga em frente com disciplina, para que no final, possa sentir a satisfação de dever cumprido.

Boa capacidade de reação

Essa é uma habilidade que com o treinamento se tornará mais natural. Por vezes, no trabalho você passará por situações em que precisará ter reações rápidas, mas que exigem paciência.

Vamos supor que você é segurança de casas noturnas. Provavelmente, algumas pessoas estarão embriagadas e pode haver algum indivíduo que causará problemas. Se possível, é importante que a primeira intervenção seja um aviso e, caso necessário, que a próxima intervenção seja física.

O segurança, nesse caso, é quem decidirá qual tipo de intervenção usar. Por isso, a sua capacidade de reação tem que ser equilibrada, rápida e eficaz.

Por que devo buscar uma boa formação profissional de vigilante?

A segurança do ser humano é algo que sempre esteve presente na sociedade, e é de extrema importância. Por isso, quando uma empresa vai fazer a contratação de um profissional não terá dúvidas sobre a relevância de contratar alguém qualificado para executar o trabalho.

A vigilância é um assunto que precisa de uma maior atenção no momento da contratação. É preciso observar se o candidato esteve em uma escola preparatória que foi capaz de abranger todas as exigências que complementam um bom segurança.

Às vezes, você pode sentir que as responsabilidades são muitas e conciliar estudo, trabalho e família pode ser uma tarefa complicada. Mas é preciso ter foco, sabendo que em algum momento o retorno virá e você perceberá que todo o esforço e tempo dedicado a esse trabalho valeu a pena.

Por que um curso profissionalizante?

Trabalhar como vigilante não é uma tarefa para ser realizada sem um curso profissionalizante. Essa é uma profissão regulamentada por lei e só pode ser exercida por um profissional que foi capacitado em um curso licenciado pela Polícia Federal.

Essa é uma importante profissão para a sociedade, que gera emprego e renda para muitas pessoas que têm interesse na área e que buscam um retorno rápido de seu investimento.

De acordo com o CONTRASP — Confederação Nacional dos Trabalhadores de Segurança Pública — nos últimos 10 anos a profissão teve um crescimento de 75%. Ou seja, esse é um ramo que se desenvolve a cada ano e, por isso, o nível da capacitação deve acompanhar o progresso do mercado.

Sua formação deve abarcar atividades físicas para seguranças e exercícios teóricos, assim como o treinamento para trabalhar e desenvolver melhor as habilidades de segurança. As atividades teóricas o ajudarão a entender a legislação em criminalística e dos direitos humanos, além de ter noção da segurança privada e do porte de armas.

Você também terá uma parte da capacitação voltada para proteção, como primeiros socorros, segurança eletrônica e combate a incêndios. Por final, com o treinamento físico trabalhará com defesa pessoal, educação física e o uso progressivo da força.

Só com treinamento e disciplina uma pessoa poderá se tornar um profissional eficaz para trabalhar na área da vigilância. Além disso, você terá as informações necessárias para saber quais as áreas que mais contratam e ainda ser escolhido.

E para quem quer se dar bem no curso profissionalizante e investir na área, esse apresenta muitas vantagens. Isso porque são mais em conta e muito mais rápidos, sem deixar a qualidade de lado.

Gostou de nosso guia sobre como escolher um curso profissionalizante na área de vigilância? Se você achou útil, compartilhe o post nas redes sociais e ajude seus amigos a escolher uma profissão que valorize-os e traga bons rendimentos!

Sem Comentários