Curso técnico ou profissionalizante: qual escolher?

O Brasil vive uma grande crise financeira e isso não é novidade para ninguém. A taxa de desemprego está acima dos 12%, atingindo mais de 13 milhões de desempregados. Agora, se você quer um emprego melhor e aumentar suas oportunidades no mercado de trabalho, então, já deve saber que um curso é fundamental para se tornar mais qualificado, certo? Mas qual escolher: curso técnico ou profissionalizante?

A dúvida é comum. Esses cursos têm diferenças importantes, apesar de serem semelhantes em alguns aspectos, o que pode gerar certa confusão. É preciso que você conheça bem cada um deles para tomar a decisão de acordo com suas necessidades e propósitos.

Portanto, para tirar todas as suas dúvidas, vamos explicar, neste artigo, o que é o curso técnico e o profissionalizante, mostrando as características e as particularidades de cada um. Assim, você saberá qual é a escolha mais adequada para a sua situação profissional.

O que é um curso técnico?

Um curso técnico é, basicamente, um curso de nível médio e tem o objetivo de capacitar a pessoa, tanto em termos teóricos quanto práticos. Pode ser feito de três formas:

  • integrada (o ensino técnico e o médio são feitos ao mesmo tempo);
  • concomitante (o curso técnico e médio são complementares e feitos em instituições diferentes);
  • subsequente (o técnico é feito depois da conclusão do ensino médio).

Existem os técnicos em enfermagem, estética, química, dentre outros.

O que é um curso profissionalizante?

Os cursos profissionalizantes ensinam uma profissão. Ou seja, eles têm como objetivo especializar o aluno em uma área específica para que ele adquira as competências profissionais exigidas no mercado de trabalho.

Esses cursos se dividem em algumas modalidades, como aperfeiçoamento e qualificação. Isso significa que o curso profissionalizante pode ser indicado tanto para quem já tem uma profissão e deseja se atualizar, quanto para quem não tem nenhum conhecimento profissional e precisa ingressar no mercado.

São exemplos de cursos profissionalizantes: auxiliar de cozinha, garçom, eletricista, vigilante e várias outras opções para se profissionalizar.

Quais as semelhanças entre eles?

Ambos os cursos apresentam algumas características parecidas quanto aos propósitos profissionais. O objetivo deles é oferecer uma formação voltada para o mercado de trabalho, de modo que o aluno tenha mais facilidade para conseguir um emprego.

A ideia é que o estudante adquira, nos cursos, as competências necessárias para ingressar rapidamente no mercado, tornando-se um profissional habilitado em uma determinada área. Isso permite aprender uma profissão, mesmo sem conhecimento prévio, garantindo a construção de uma carreira e maior empregabilidade no futuro.

Diferentemente de uma graduação tradicional, que geralmente enfatiza o ensino apenas na abordagem teórica, esses cursos valorizam também a aprendizagem prática.

Além disso, sem necessidade de fazer uma faculdade, com o curso técnico ou profissionalizante, a pessoa se torna capacitada a exercer um ofício em um curto período, que pode variar de 6 meses a 2 anos. Assim, ambos os cursos são mais rápidos do que uma graduação, que leva em média 4 anos para ser concluída.

Quais as diferenças entre os cursos?

Conheça as principais diferenças entre eles. Elas são decisivas para fazer a escolha mais adequada para o seu caminho profissional.

Abordagem

Um curso técnico tem aulas que abarcam tanto a parte prática do conhecimento quanto a teórica, dando preferência a uma conciliação entre as duas abordagens.

Já o curso profissionalizante tem maior ênfase na parte prática, focando no objetivo de preparar o estudante para a atuação no dia a dia da profissão.

Duração

Por conta da urgência em entrar no mercado de trabalho, muitas pessoas acabam sem tempo ou condições de arcar com os investimentos para fazer um pré-vestibular e ingressar em um curso superior, já que esse processo exige um tempo maior para os estudos, além de, no mínimo, quatro anos para a formação.

O curso técnico deve garantir uma carga mínima, o que é uma exigência do MEC (Ministério da Educação). Por isso, sua duração pode variar de 18 a 24 meses.

Os cursos profissionalizantes, por sua vez, têm carga horária menor e, consequentemente, uma duração mais curta. Essa modalidade pode durar entre 6 a 18 meses.

É sempre bom enfatizar que é possível aprender em um curto espaço de tempo. Enquanto nas graduações o ensino é muito mais amplo, atingindo vários conhecimentos diferentes, o ensino profissionalizante e técnico é mais direto e objetivo. Eles funcionam dessa forma porque são totalmente voltados ao mercado de trabalho, com muitos exercícios práticos.

Nível de formação

Para realizar um curso técnico, é necessário que o aluno tenha concluído ou, no mínimo, esteja cursando o ensino médio.

Já os cursos profissionalizantes não costumam ter pré-requisito quanto ao nível de escolaridade. Assim, a partir do ensino fundamental, por exemplo, já é possível realizar cursos desse tipo.

Aprovação do MEC

Os cursos técnicos devem ter aprovação e reconhecimento do MEC. Já os cursos profissionalizantes não têm essa exigência.

Essa diferença tem relação com a emissão do certificado ou diploma, outro aspecto diferenciador.

Certificado x Diploma

Ao formar-se em um curso técnico, o aluno recebe um certificado, tendo direito também a um diploma reconhecido pelo MEC. O certificado contém a carga horária e as disciplinas realizadas. E o diploma garante a formação técnica.

Como vimos, esse tipo de curso exige a realização de uma carga horária mínima para que o aluno receba os documentos de certificação. Muitas vezes, também é preciso realizar um estágio e um trabalho de conclusão de curso, que poder ser um projeto ou uma pesquisa.

No caso de um curso profissionalizante, o estudante recebe um certificado, sem a necessidade de validação perante o MEC. Nesse documento, constam informações como: a carga horária, o tipo de curso realizado e a assinatura do representante da instituição em que a formação foi realizada.

Afinal, curso técnico ou profissionalizante?

Diante disso, é possível colocar as diferenças e as semelhanças na balança, para tirar a melhor conclusão.
Junto às características dos cursos, alguns aspectos pessoais também devem ser levados em conta. Seus objetivos profissionais, suas necessidades e as possibilidades atuais vão ajudar nessa escolha.

Por isso, você deve considerar questões como:

  • Qual é o tempo que você tem disponível para estudar?
  • Qual sua urgência de entrar no mercado de trabalho?
  • Qual seu nível de escolaridade?
  • De qual enfoque profissional você precisa: teórico ou prático?

Nesse contexto, os cursos profissionalizantes têm suas vantagens para quem necessita de uma rápida capacitação, por exemplo. Devido à curta duração, você aprende um ofício em poucos meses, ou até menos, o que permite realizar, inclusive, mais de um curso.

Além disso, as exigências para cursar essa modalidade são menores, não havendo nenhum pré-requisito na maioria das vezes. Por isso, são ótimos para quem não tem outra formação. Eles abrem as portas do mercado, aumentando o leque de oportunidades de emprego.

E, se você não tem experiência na área desejada ou tem pouco conhecimento profissional, considere também o enfoque prático dos cursos profissionalizantes. Isso é fundamental para estar pronto e preparado para o mercado.

Relação custo x benefício

As vantagens de fazer um curso técnico ou profissionalizante foram ditas antes. Mas, uma pergunta pode incomodar: quanto isso vai custar no seu bolso? Em períodos de crises, as pessoas não estão com tanto poder aquisitivo para investir em uma formação que seja muito cara.

Nos cursos profissionalizantes, além das oportunidades de aprender uma profissão em um período de tempo menor, ele também é muito mais acessível financeiramente em comparação a um curso de graduação. Estima-se que um curso profissionalizante seja 40% a 60% mais barato que um curso superior.

No caso dos cursos técnicos, há cursos pagos e há também os gratuitos. Existem escolas espalhadas pelo país que oferecem bolsas de 100% para quem deseja ingressar na formação técnica.

Em ambos, o custo do material didático costuma ser bem menor do que os de graduação, além disso, eles são mais focados nos conteúdos específicos da área.

Formação voltada ao mercado de trabalho

Por conta da falta de mão de obra qualificada, novos cursos profissionalizantes estão surgindo para capacitar ainda mais essas pessoas. Com aumento no índice de desemprego para os graduados, as ofertas para quem recorreu por formações profissionalizantes e técnicas aumentaram. Graças a isso, a busca por empregos para quem optou por uma formação mais técnica pode ser bem mais curta, justamente por estar inserido no mercado de trabalho, levando vantagem sobre aqueles que fizeram um curso superior.

Isso tudo acontece por conta de uma deficiência do mercado por pessoas com cursos profissionalizantes e técnicos. Muitos alunos já são indicados para os trabalhos ainda estudando.

Orientação diferenciada para os alunos

As turmas de cursos profissionalizantes costumam ser menores, se comparadas com as de graduação. Por conta deste fator, os alunos conseguem ter atenção redobrada, tendo as necessidades individuais de cada aluno atendidas da melhor forma.

Extensão dos estudos

Ao conseguir um emprego, experiência e um diploma ou certificado de formação, o profissional não pode achar que apenas isso basta. É importante que as pessoas continuem estudando e capacitando-se mais. O mercado de trabalho está cada vez mais exigente e quem não estiver atualizado, fica para trás.

Para facilitar a escolha do curso seguinte, faça um planejamento do que está sendo discutido no mercado, as novas tendências e tecnologias que estão sendo implementadas. Quantos mais cursos e certificados você tiver, maiores serão as chances de crescimento dentro da empresa e no mercado de trabalho.

Por fim, ao optar por um curso técnico ou profissionalizante, lembre-se de escolher uma instituição de qualidade, que ofereça a formação adequada. Agora que já sabe a diferença entre os dois, faça sua avaliação e não perca tempo para se qualificar!

Sem Comentários