Conheça a história da segurança privada no Brasil

Falar sobre a história requer um mergulho ao passado. No caso da segurança privada no Brasil, retornaremos às décadas de 1960 e 1970 para mostrar a sua origem até chegar aos dias atuais, com a crescente demanda por esse serviço.

Abordaremos a sua regulamentação, apresentaremos os principais tópicos da legislação e listaremos os tipos de serviços que estão disponíveis.

Se você tem curiosidade em saber um pouco mais sobre segurança privada no Brasil ou tem interesse em fazer algum curso nessa área, este post foi feito para você. Confira!

A origem dos serviços de segurança privada no Brasil

Durante os anos em que o Brasil foi presidido por generais do exército, as forças de segurança pública foram direcionadas para reprimir e combater grupos subversivos. Com isso, houve um aumento expressivo de assaltos à mão armada, principalmente, a bancos e instituições financeiras.

Para minimizar esse cenário, foi necessário estabelecer no país as diretrizes para a implantação da segurança privada no Brasil.

Em 1969, por meio de um decreto do governo, deu-se início a legislação sobre segurança privada. Na ocasião, houve a determinação de que os bancos deveriam fazer a sua própria segurança no interior de suas agências e proteger o transporte de seus valores.

A partir daí, a legislação foi sendo atualizada e adequada aos novos tempos. A segurança privada, antes restrita aos bancos, foi estendida para atender a propriedades públicas e privadas, para a escolta de cargas e para a proteção pessoal.

Em 1983, foi promulgada a Lei número 7.102 que regulamentou as atividades de segurança privada em todo território nacional. Nessa lei, estão as normas para a constituição e o funcionamento das empresas privadas interessadas em explorar os serviços de segurança, vigilância, proteção e escolta.

Atualmente, a demanda pelos serviços de segurança privada no Brasil tem crescido em face à dificuldade que os governos federal, estaduais e municipais têm em inibir as atividades dos malfeitores.

Principais tópicos da legislação sobre segurança privada

Os principais tópicos da legislação sobre segurança privada versam a realização da vigilância patrimonial de instalações e estabelecimentos públicos e privados e a proteção de pessoas físicas dentro dos ambientes cujos limites são determinados para tal.

Assim, em um evento musical, por exemplo, a segurança privada deverá proteger as instalações físicas, os artistas e pessoal envolvido com o espetáculo, os equipamentos utilizados e o público que está no ambiente definido. Esse espaço pode ser aberto ou fechado, como ginásios, arenas ou estádios.

Outro tópico da legislação se refere ao transporte de valores. A sua abrangência foi aumentada e, atualmente, vários tipos de cargas são protegidos nas estradas e nas cidades brasileiras. Por fim, a segurança pessoal também completa os tópicos da legislação.

Tipos de serviços de segurança privada

Vamos tratar agora dos serviços que são feitos pelas empresas especializadas em segurança privada. Cada um requer pessoal devidamente preparado e equipamentos que podem ser operados pessoal ou remotamente.

Existem empresas especializadas em formar profissionais voltados para a segurança privada, bem como há também empresas voltadas para o monitoramento remoto. Nesse último caso, equipamentos eletrônicos, como sensores de presença, são instalados em pontos específicos e são acompanhados a distância.

A demanda por segurança privada tem crescido à medida que os problemas sociais aumentam no país. A crise econômica e política que castiga o país fomenta a criação das mais diversas organizações criminosas cujo poder de atuação avança em alguns estados da federação.

O uso da tecnologia tem sido um aliado de primeira ordem para as empresas e para os clientes, pois permite que imagens sejam visualizadas em tempo real através da internet. O acionamento da polícia ou de equipes especializadas, dependendo da situação, pode ser feito com sistemas informatizados adaptados às necessidades de cada instalação.

Vários dispositivos móveis, como smartphones ou tablets podem ser empregados para o acompanhamento e monitoramento, além de computadores e notebooks.

Listaremos a seguir alguns serviços fornecidos pelas empresas de segurança privada no Brasil.

Vigilância patrimonial

Empresas e instituições públicas e privadas precisam ter suas instalações e patrimônio protegidos durante todo o tempo. Independentemente do ramo de atividade, se está localizada em uma grande cidade ou no campo, as instalações físicas precisam de vigilância para a manutenção da integridade de seus ativos.

O leque de instalações vai desde um pequeno estabelecimento em uma esquina qualquer a uma usina hidrelétrica. Nesse intervalo estão fazendas, hospitais, todos os tipos de indústria, escolas, repartições públicas, edifícios, residências, postos de combustível, enfim, qualquer instalação física e seus mobiliários.

Transporte de valores

Refere-se à movimentação de valores ou objetos com alto valor monetário, utilizando veículos especiais ou comuns. Enquadram-se nessa categoria, equipamentos eletrônicos, remédios e outros produtos que requeiram a proteção privada.

Infelizmente a infraestrutura do nosso país, com estradas em péssimo estado e com a criminalidade aumentando em todos os estados, está forçando o aumento da utilização desse serviço.

Escolta armada

Atividade feita para garantir a segurança no deslocamento de cargas, valores ou pessoas.

Segurança em grandes eventos

Outro serviço que tem se expandido ultimamente é o de segurança em grandes eventos. Já há algum tempo o país passou a ser rota de apresentações de grandes artistas de música pop, como, recentemente, Paul McCartney, U2 e John Mayer. Além do Rock in Rio que envolveu dezenas de artistas internacionais e nacionais.

Soma-se a esse conjunto os jogos de futebol e demais atividades esportivas, como as ocorridas na Rio 2016. Cada vez mais esses espetáculos ocorrerão em diversas cidades do Brasil, exigindo pessoal preparado para a segurança de todos.

Segurança pessoal

Serviço executado para assegurar a integridade física das pessoas, em deslocamentos ou em ambientes previamente determinados.

Para todos os serviços é necessário que os profissionais sejam preparados, treinados e estejam em perfeito estado de saúde física e mental. Portanto, é fundamental fazer cursos especializados de formação, especialização e atualização na área de segurança.

É importante registrar que a principal função da segurança privada é prevenir situações que possam colocar em risco as pessoas e o patrimônio. Ações de inteligência devem nortear, sempre, as atividades de proteção.

Agora que você já viu informações sobre segurança privada no Brasil, assine a nossa newsletter e receba regularmente as novidades sobre cursos e treinamentos nessa área.

6 Comentários

  1. Alessandro Aparecido da Silva Almeida

    Por que estiter segurança privada

  2. Bom dia, tenho uma dúvida. Quando te perguntam sobre conceitos de segurança privada esses conceitos seriam as áreas de atuação da segurança? como transporte de valores , escolta armada, vigilância patrimonial…. teria como esclarecer isso?

    • ESCOLA BRASIL DE SEGURANÇA (Autor)

      Bom dia,

      Quando falamos em conceito, podemos expandir a explicação e sair apenas da definição.

      E no caso entraríamos com a área de atuação da segurança privada, o que é de sua competência, e outras.

      Mais informações?
      (31) 3201-0708
      (31) 98445-2427

      Estamos sempre a disposição para melhor atendê-lo.

      • Boa noite! Muito bom material! E para contribuir com a pergunta do camarada acima a PF diz que a seguranca privada é subsidiária e complementar a SEGURANÇA pública e subordina – se aos princípios da necessidade, adequação e proporcionalidade. Por adotarmos a teoria do monopólio estatal da força para constituir a garantia de segurança interna e liberdade a autodefesa esta adestrar a legítima defesa estado de necessidade, exercício regular de direito ou, por fim como medida preventiva a contratação de segurança privada. Em outras palavra a PF diz que a atividade de segurança privada e aquela regulamentada é fiscalizada pelo DPF e é complementar a SEGURANÇA pública, sendo direito de todo cidadão como pessoa física ou jurídica proteger a sua integridade física ou o seu patrimônio. Forte abraço.. Tiago Leão!!!